quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Pedaço de mim


Quando acordo, todos os dias, sento na minha cama e observo o meu quarto e todos os detalhes que meus olhos são capazes de enxergar na pouca claridade e no sono do momento. Fico lá sentada por pelo menos um minuto completo até me certificar de que meus pés estão vestidos pelas minhas meias e meu corpo esta aquecido. Penso comigo mesma o quanto eu queria continuar dormindo, xingo todos mentalmente como se tudo fosse parte de uma grande conspiração contra mim, só pra eu acordar cedo. Levanto. Mas antes de levantar, faço mentalmente todo o meu caminho a seguir. Penso em levantar, pegar o desodorante, a calcinha e o sutiã no armário, caminhar até o banheiro, me despir, entrar no chuveiro, me enxaguar e ensaboar, enxaguar novamente, desligar o chuveiro, me secar, e depois me vestir rapidamente, com a camiseta, calça e casaco já separados no dia anterior, depositadas em cima da cadeira. E só depois de pensar em tudo, vou e faço exatamente igual.
Gosto de anéis, não só em mim, mas nos outros. Gosto de reparar nos anéis e sempre acho que os tipos de anéis e os dedos em que são colocados demonstram coisas muito fortes sobre as pessoas. Pode perceber que algumas pessoas usam só alianças nos dedos, outras usam coisas grossas como se aquilo fosse proteção, outras só usam anéis nos dedos de compromisso, algumas no dedão, como se fosse aquele anel seu melhor amigo, afinal, ele que aponta pra cima e faz o sinal de "beleza". Ele que ajuda quando as palavras não estão saindo e precisamos de um pequeno gesto. Não sei. Só gosto de anéis e de pessoas que usam anéis.
Acho que anéis são objetos não só para enfeitar, são sentimentais.
Gosto de strogonof, mas não sei se é assim que se escreve. Tenho vontade de fumar um cigarro, mas não tenho coragem de me matar aos poucos e acho muito ruim quem fica cheirando a fumo.

Cheirando a fumo - lembro-me de alguém me irritando com minha mania de dizer essa besteira.

Quero ter filhos, não importa como, só quero tê-los.
As vezes converso sozinha no celular pra não me sentir - de fato - sozinha, como uma criança em sua brincadeira de ser adulta.

Sei que há alguém, em algum lugar, que quer conhecer cada pedaço de mim.
Seria muito romântico. 





Dedicado à um grande, e melhor, amigo. André exorcista Curvelo. 
Te amo, maninho. 


"A vida me ensinou que é tão simples ser feliz, basta aceitar que ela é como é e que as vezes batemos o nosso nariz. Eu chorei, lembro o quanto foi foda me erguer. Mas eu fui mais forte e acabei superando, o meu corte virou cicatriz."

Um comentário:

  1. Eu sou tão desperça que os aneis acabam sendo aguardados na minha caixa de bijox!
    Somos assim estranhos,e muitas vezes omitidos fatos engraçado,curiosidades nossas !

    ResponderExcluir