quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Queda

VOCÊ CAI!

Você nem percebe quando cai, você não sente o seu corpo e sua alma indo de encontro ao chão, a queda em si é bem suave, você sente apenas uma leve brisa empurrando seus cabelos pro céu. Você chega a sorrir, a brisa é gostosa, a sensação é boa, e então você está caído. Quando você chega no chão você entende a queda. A queda é boa, a sensação de cair é de liberdade, de voar, de ser inabalável. O fim e as consequências dela que te matam aos poucos. Primeiro, depois do impacto com o chão, você percebe que o ar tá acabando. Seus pulmões não são fortes suficientes pra aguentar o impacto. Você tenta respirar, consegue sugar um pouco de ar, e mantém esse ar pelo tempo possível. De repente dói. Dói os braços, dói as pernas, dói o corpo todo e você quer um corpo quente pra te abraçar e amenizar sua dor. Depois vêm a noção. Você percebe que tá no chão, que tá sofrendo, que tá doendo, que tá sozinho, que não tem mais ar, e mesmo que não seja tanta dor, ou tão pouco ar, ou tanta solidão ou sofrimento,  você chora. Você chora porque é um pacote. Você precisa chorar por esse pacote porque é muito azar. A sensação boa da queda não valeu pelo impacto. O impacto do fim é muito forte pra você aguentar.
E então você se arrasta.
Junta toda sua - pouca - força e tenta encontrar alguém e algum lugar que você possa pedir socorro e que possam te dar a mão, e te levantar e te ajudar; Te salvar; te amar.
E aí não há lugar, não há levantar, nem ajudar, nem mão, nem salvar...muito menos amar. 


Então você continua no chão, continua caido, até suas forças voltarem, o ar voltar, a vontade aparecer, e você levanta sozinho. Sem precisar de ninguém. É só o tempo e as provas que a vida vai te dar, as chances, as oportunidades. Hora ou outra você poderá levantar, e andar, e amar. 


Eu caí. Mas já posso sentir a força vindo de dentro do peito, gritando meu nome, me acordando, me fazendo levantar. Estou levantando sozinha. E da próxima vez que eu for cair, eu não vou sozinha, eu vou arrastar quem merecer ir comigo pro chão. 



sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Nua e crua

Quero verdades jogadas na cara. Quero sentir aquele gosto infeliz da mentira sendo despedaçada nos lábios. Você vai falar e vai entrar pelos meus ouvidos, dessa vez não vai sair... Ah não. Dessa vez tudo que você disser vai ficar guardado. Deixei uma caixa vazia dentro de mim só pra juntar as verdades - e até as mentiras - que você contar.

Quero verdades cortando meu coração e me fazendo aprender; mais uma vez; From the top.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Pedaço número 1.

Você não me faz bem. 

Tudo que quero agora é estar do teu lado, em qualquer lugar do mundo, ao teu lado. Segurar teu rosto e essa tua expressão triste de quem perdeu e te beijar com tanto carinho que você nunca mais vai querer parar. Teus lábios nos meus lábios pra sempre.