sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Texto sobre minhas lágrimas nº1

Eu tenho esse buraco negro dentro de mim. Não sei como meu corpo consegue liberar tantas lágrimas. Basta eu parar por um segundo e pensar, pensar em tudo e qualquer coisa. Tudo na minha vida. Todos os meus dias tem me dado vontade de liberar essas malditas lágrimas. Esse buraco negro dentro de mim tem engolido toda minha felicidade e se desfeito dela de uma maneira tão fácil que já não consigo mais controlar. Quando eu vejo, toda a felicidade já foi engolida e levada pra esse lugar desconhecido. Não consigo encontra-la e quando cria-se nova felicidade dentro de mim, logo é engolida também. Não há espaço pra ser feliz em mim, pois esse buraco negro cresce mais a cada dia. E quando penso que está passando, que esta diminuindo, que esta melhorando, não está. Porque minha alegria só faz ele crescer. Minha alegria é seu alimento. Ele transforma toda minha alegria num vazio absurdo. Eu sou um buraco negro e não consigo mais ser feliz.  

sábado, 22 de janeiro de 2011

Tudo que restar



Um palito do incenso “kamasutra – homem” estava aceso. O quarto emanava aquele aroma gostoso de prazer. Um prazer tranquilo e intenso. O garoto estava deitado na cama com seu violão ao lado. Alisava-o, como se fosse um animal de estimação. No cinzeiro ao lado do violão, em cima da cama, saia fumaça da ponta do beck que o garoto enrolará haviam poucos segundos. Ele olhava o teto, alisava o violão e sentia o cheiro do incenso misturado com o cheiro da cânabis. Seu peito se enchia e seus olhos piscavam, várias vezes, era seu toque, seu defeito; O garoto piscava mais do que devia. Ou talvez fosse porque tudo que ele via, e sentia, e fazia, era mais intenso do que deveria ser. Com a mesma mão que agora a pouco alisava o violão, pegou o baseado no cinzeiro, colocou na boca e largou a mão ao lado do corpo. Tragou lento e longo, tossiu e segurou o beck de novo, respirou o incenso e a marola, botou na boca mais uma vez, tragou direito; com jeito; colocou de novo no cinzeiro e soltou a fumaça pra cima. Jogava a fumaça pra cima como se jogasse perfume no quarto. Enquanto jogava a fumaça mantinha os olhos bem fechados, sentia a fumaça saindo de sua boca como se aquele fosse seu poder. Aquilo podia fazer tudo ficar bem. Era sua mágica. E quando abriu os olhos piscou, piscou umas dez vezes seguidas. Observou a fumaça se desfazendo e suspirou. Suspirou pela mágica que sumia, as coisas ficavam ruins de novo. Alisou o violão mais uma vez. Piscou mais trezentas vezes e decidiu que era hora de amar, porque a bebida já tinha acabado e aquele era o último beck que poderia comprar com sua mesada.

domingo, 16 de janeiro de 2011

Me escute, menina



De quê adianta o amor se lhe falta todo o resto? Mas enquanto me faltar amor me faltará tudo. E se amar é viver, não sei porquê vivemos. Pois viver pra amar e amar pra viver nunca nos fará feliz. Então, serei eu alguém sempre e eternamente infeliz? Me abandono no meio das minhas escolhas pra voltar atrás e correr de encontro com o erro. O erro me conforta e me faz crer que está tudo bem. Não está tudo bem, menina. Me repito. Não está nada bem. Você tem morrido por dentro. Você não se tem mais. E cadê você, menina? Sinto tanto a sua falta dentro de mim. Você que sou eu e eu que... tanto faz. Sou seu sonho de consumo, sou você de verdade e não esse corpo que te leva e te trás. Te desfaz e te refaz. Pra que viver por esse você que nem você mesmo gosta mais? Estás tentando apagar o passado, menina? Passado nenhum se apaga jamais! E tuas escolhas atuais ficarão guardadas pro resto da vida que vêm tirar tua paz. Se encontre novamente, por favor, me encontre novamente, por favor. Pare de viver por amor. Pare de amar. Pare de morrer. E de se matar. E de reviver.

Me deprime sua falta de querer.

De que me adianta falar se você não aprendeu a ouvir?
Pra que eu iria cantar se você não vai me acompanhar?
Estou cansando e cantando e dançando uma canção sozinha.
Qual seu papel? Qual o seu lugar?
É difícil amar alguém que nunca sabe me amar.
Mais difícil é querer respeito de quem não sabe respeitar.

Existem coisas que não podem ser deixadas de lado. Estou revendo nossas opções sozinha, já que pra você, namorar significa tão pouco que chega a ser, tristemente, nada.

Eu quero que o amor se foda.


Porque ser uma boa pessoa não me serve pra nada, e ser uma pessoa ruim não ajuda. 
Passei a odiar cada estrela desse maldito céu azul escuro de SANTOS.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

As pessoas que se fodam.

As pessoas são uma merda. Você acha que pode confiar em algumas delas, você coloca fé nas pessoas, você ajuda elas e depois você se fode.
Elas destroem você com todas as armas que elas possuem, elas te fazem sentir-se mal e te arrancam tudo de bom que há em você.
Algumas pessoas deveriam apenas morrer.

Não estou brincando.