segunda-feira, 16 de maio de 2011

Querida, queria te dizer que tinha um oceano inteiro entre nós e que se o avião bateu foi sem querer.

Bateu a porta quando saiu. Saiu alegando que não queria mais nada. Nada que eu dissesse a faria voltar e mudar de ideia. Ideais que eu não concordava e que a fizeram partir. Eu tive de ir também, um tempo depois, voltar pro meu mundo real e dizer adeus àquela fantasia.

Que ridículo. Uma garota tão grande como eu vivendo um delírio tão profundo quanto aquele. Não passava de uma estória infantil mal contada. Daquelas que ninguém nunca descobre de fato se o final é feliz ou não porque todos dormem no decorrer de tal. Dormi feio antes da queda, por isso o avião bateu. Mal vi o avião decolar. Sei que eu era piloto e ela a co-piloto mas a gente dormiu quase que o caminho inteiro. Fomos só pilotando sem saber direito como nem porquê, bocejando a cada segundo e fechando os olhos.

Deixamos o avião ir, dormimos, o avião bateu e caiu. Fez-se a queda. O sono pegou pesado e ninguém descobriu o final da história. Quando abri os olhos havia um oceano inteiro entre eu e aquela que, mesmo que dormindo, havia me feito companhia todo aquele percurso de avião sonolento.  Ainda tentei nadar. Usei todo o meu folego e a força que eu tenho nos braços pra tentar chegar até você mas você não tem nem noção de quão imenso era e quanta água tinha entre nós.  Pensei até em esperar a água toda evaporar pra te pegar de volta e levar pra casa, mas demoraria muito e depois aquela chuva estúpida cairia e molharia tudo de novo. 

Quando vi até teu olho tinha virado oceano e transbordava mais água pra nos separar. Tuas lágrimas, dificultando minha chegada, foi o que mais me fez fracassar.

De repente tu acenas, tu nadas até uma ilha e desaparece. Deixa-me no mar que nunca acaba. Na beira da praia. Na sala da casa, com a porta batendo, o eco voltando.  Tu não me ligas, nem pergunta por mim. Tu só vais embora e nem dá tchau. E eu aqui, deitada no sofá, dormindo feito criança; perdendo, mais uma vez, o final da história. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário