quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Pausa pra uma risada abafada

Eu to aqui, totalmente no escuro, uma aliança no dedo, duas ou três lágrimas desfeitas pelas bochechas, adoçando os lábios, que sentem sua falta. Tua boca é tão macia, tão doce, tão maliciosa, que me deixa uma saudade imensa quando não tá encostada na minha. Pausa pra uma risada abafada, um olhar pra baixo, pensando na imagem de. Você olhando pra mim de longe, de canto de olho, na mão a lata de cerveja, a lata de cerveja na boca. A cerveja cai pra dentro e eu cambaleio no mesmo lugar. Só um desequilíbrio. Uma falta de mim por um segundo ou dois. Talvez três, não sei, esqueço de contar. É sempre assim. Quando você tá tomando sua cerveja aí e eu tomando a minha de cá, morrendo de inveja de uma porra de uma lata de cerveja. Quero ser eu na tua boca. Refaço o pensamento, seria clichê demais dizer que. Quero ser eu descendo teu corpo, por dentro também, por fora, escorrendo no canto da boca, te satisfazendo, e ainda te deixando tranquila, assim, bem desse jeitinho que tu fica quado toma tua cerveja. Mas, first of all, quero pedir desculpas por sempre inventar esse monte de problemas e revirar histórias é que como você já deve ter visto. Sabe como é difícil admitir erros assim?. Eu faço história de tudo, dramatizo, nasci pra isso eu acho; nem sei. Ainda assim, nenhuma história me parece mais interessante que a minha boca tocando a tua boca e a minha mão tocando. Vamos deixar isso pra depois porque agora queria falar de algo mais romântico como. Aquele olhar que você me dá quando eu não consigo tirar a maldita panqueca da frigideira é intencional? Dá vontade de não tirar a panqueca da frigideira nunca. Nunca aprender. Jamais! Só pra você me olhar, e rir, e falar "ai essa minha criança...", se gabar, rir mais, me socorrer, tirar a panqueca e falar "Vai, coloca o recheio" como se eu ainda tivesse nove anos de idade ou algo assim. Romance, nosso romance, romance risonho e atrapalhado. Romance.
Quero dizer, meio confuso mas com esse texto eu queria dizer alguma coisa, só não consigo lembrar direito o que mas talvez seja que. "Às vezes te odeio por quase um segundo. Depois te amo mais. Teus pêlos, teu gosto, teu rosto, tudo. Que não me deixa em paz. Quais são as cores e as coisas pra te prender? Eu tive um sonho ruim e acordei chorando..."