terça-feira, 24 de julho de 2012

Should I stay or should I go?


Talvez tudo isso, na realidade, não signifique nada. E que todo o tempo do mundo perca o valor quando se perde o gosto. O jeito que você deveria sorrir pra mim e a sinceridade nos olhos. Lembra-se daquela alegria abobalhada e aquelas brincadeiras estupidas, espontâneas?
Talvez o tempo seja, na verdade, nosso maior inimigo. E ele esteja nos afastando aos poucos, nos fazendo perceber os nossos defeitos e, principalmente, fazendo com que certas ausências comecem a ser sentidas. Que você sinta falta daquela garota que, uma vez, se declarou pra ti. E que sinta falta do jogo de paqueras e de “será que eu gosto de você?” que vocês deviam fazer há um tempo atrás. E eu, eu cometi meus erros. Você sabe bem de quantos e quais, e sempre te peço desculpas, e sempre te digo verdades, e sempre quero resolver nossa situação. Senta do meu lado, vamos conversar. E eu te pedi, pedi pra que me dissesse quando, se algum dia, estivesse apaixonada ou interessada em outro alguém. Porque prefiro saber da sua boca, não quero me magoar novamente. A pior coisa é você estar com alguém enquanto esse alguém quer estar com outra pessoa. E eu, mesmo com meus deslizes e fracassos, durante todo esse tempo, sempre quis estar com você. O coração aperta e a voz chega a falhar quando tento te dizer que te amo. Porque hoje, depois de tanto tempo, o medo de declarar meu sentimento voltou.

O tempo, o tempo é algo estranho, não acha? De tempo em tempo voltamos ao tempo passado. As roupas de vinte anos voltam com tudo. Os cortes de cabelo voltam com tudo. A música volta com tudo. E o amor? O amor volta com tudo? Me responde você.
O tempo me intriga e me sinto sensata por isso, quem nunca reparou deveria se preocupar: Percebes que quanto mais o tempo passa mais nós voltamos no tempo?
Posso tentar explicar, não sei se conseguirá seguir minha linha de pensamento, mas tente: Dizem que pra curar um amor, só mesmo o tempo. Antes de amar, você vai pra baladas, festas, bares, conhece pessoas, paquera, apaixonasse três vezes por dia, atreve-se a investir em pessoas, beija-las, elogia-las, tudo para no final aumentar seu ego com as conquistas que faz. E quando o amor vem e passa? Quando o amor termina? O ciclo volta ao começo. O tempo vem, cura teu amor, ou o que for que ele faz com o amor, e de repente você tá nas baladas de novo, certo? Você tá conhecendo outras pessoas, beijando outras bocas e nem lembra do que se passou. Mas e quando você não quer, nem precisa que o amor acabe?
Mesmo assim o tempo vem. Eu sei que vem porque a gente não vê passando mas, agora, olhando aqui pro tempo que já foi, eu sinto as dores da cirurgia que ele fez na minha vida, arrancando certas coisas, colocando outras no lugar. O que mais dói é saber que, sem querer, ele faz isso contigo também. E é constante. É imutável. Não há nada a se fazer.
Então, de tempo em tempo, você vai sentir vontade de conquistar aquela garota novamente. E, de tempo em tempo, você vai querer abraçar outra pessoa. De tempo em tempo você vai querer dançar, bêbada, com suas amigas, olhando pra alguma outra menina na balada. E o que eu posso fazer? Isso se chama saudade, porque o tempo passa e a gente sente falta das coisas, das pessoas, dos abraços, das danças, das risadas. Não posso te proibir e me sentiria ainda pior o fazendo. Quero ver-te feliz sempre, o tempo inteiro, mesmo que isso me faça infeliz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário